A DEPENDÊNCIA QUÍMICA E RECAÍDAS

A recaída é um fenômeno comum à dependência química ou vício em substâncias psi coactivas
licitas, incluindo o álcool e a nicotina, e as ilícitas , como cocaína , maconha, inalantes ,crack ,
ecstasy , cogumelos , lds e outras.

Confira também:

13 OPÇÕES DE CLÍNICAS DE REABILITAÇÃO SP DROGAS

O mesmo fenômeno ocorre com os comportamentos, sendo
eles o jogo , o sexo, distúrbio alimentar, code pendência, compras (muito frequente com pessoas
que frequentam para compra shoppings e outros locais como livrarias ,lojas de roupas , e demais
que sugerem impulsos de compra no indivíduo – furto. Muitos adictos ficam vulneráveis e expostos
à recaída, em relação a determinadas atitudes, sentimentos e comportamentos, em recuperação,
mesmo antes de iniciarem os consumos e comportamentos adctivos ou experimentarem a fixação
ou preocupação exagerada em consumir ou beber.

Perdem a capacidade em se auto-avaliar e

monitorizar (pensamentos e sentimentos) agem (comportamento) no desejo irresistível (craving) e
reiniciam o consumo drogas lícitas, incluindo o álcool, ilícitas ou comportamentos (jogo, sexo,
distúrbio alimentar, compras). Tal fenômeno é denominado compulsão.

A estes comportamentos

que despoletam e antecipam a recaída podemos designar de atitudes e comportamentos
disfuncionais que boicotam a recuperação , bem como a síndrome da abstinência.
Conheço adictos/as, que recaíram, quando colocados perante a questão. Se as coisas estavam a
correr bem, durante a a recuperação/abstinência, porque é que é optas-te por recair.

Resposta

Não sei… não sei porque fui consumir drogas e álcool, Isso evidencia que a ligação do uso com
multi fatores externos é muito estreita, mas existem formas de se lidar com isso. A procura de
uma clínica especializada em tratamento da dependência química ou adicção é um caminho
excelente para se entender tal processo.

Isso ocorre em seções terapêuticas que evidenciam os
gatilhos de recaída. Como parte no trabalho de recuperação é um fator de suma importância para
que se evitem recaídas e expliquem o funcionamento do cérebro em relações às atividades
citadas.

Para que o leitor possa conseguir discernir sobre determinados conceitos em relação à adicção
vamos designar.

1. adicção às substâncias psi coactivas licitas, incluindo o álcool e as ilícitas (drogas)

2. Adicção comportamentos (jogo, sexo, distúrbio alimentar, code pendência/relacionamento de
dependência, compras – furto). Existem adictos que são simultaneamente adictos a substâncias e
a alguns comportamentos. Por ex. substâncias psi coactivas e distúrbio alimentar ou jogo e
substâncias psi coactivas.

Faz parte também uso – relacionamento como exemplo.

Todas as drogas que alteram o humor têm a capacidade de modificar a forma como pensamos,
sentimos e agimos e como consequências podem causar danos graves no cérebro, danos
psicológicos, danos físicos e nos relacionamentos com as outras pessoas.Desde o metabolismo
pessoal até as estruturas sociais, onde includimos a família vemos a expressão disso.

A adicção conduz a pessoa a consumir substâncias psi coactivas lícitas/ilícitas e/ou
comportamentos a fim de obter gratificação imediata (bem estar e alivio), todavia há um custo
elevado; o sofrimento, a obsessão e a compulsão a médio e longo prazo, como consequência, é
inevitável a perda de controle do dependente químico ou viciado.

“Uma vez adicto as consequências negativas das decisões são imprevisíveis, isto
significa que se perde a capacidade de gerir os comportamentos e atitudes de uma
forma funcional e construtiva. Danos imediatos assumidos por um dependente químico
ativo Consumir substâncias psi coactivas lícitas/ilícitas e/ou agir nos comportamentos

adictivos para aliviar o sofrimento/desconforto causado pelo consumo de drogas e/ou
agir nos comportamentos impulsivo/compulsivo e continuado conduz ao ciclo adictivo,
em espiral ou efeito do círculo vicioso” cita um especialista no assunto

Na adicção, o sofrimento físico e psicológico associado à interrupção do consumo de substâncias
lícitas e ou ilícitas designa-se de Síndrome da Abstinência, também conhecida como ressaca entre
os dependentes de bebidas alcoólicas.

Gostaria de acrescentar que já observei adictos a
comportamentos (jogo e sexo) com os mesmos sintomas psicológicos, do Síndrome da
abstinência, que os adictos a substâncias psi coactivas, esse fator demonstra que o processo de
adicção pode ser um outro , desconhecido .fora o do uso de substâncias tóxicas.

Progressão da doença da adicção:

Mostraremos as diversas fases da doença

Fase Inicial

Aumento da tolerância e da dependência.O desejo de consumir é substituído pela necessidade
irresistível em consumir mais. O processo é semelhante aos indivíduos adictos aos
comportamentos. Algo que começa como uma atividade inócua e natural associada ao lazer é
substituída pela necessidade de recorrer, com mais frequência, ao comportamento adictivo, ou
seja depender em períodos mais curtos à necessidade do uso.

Fase Intermédia

Perda progressiva do controle – ilusão (comportamentos e atitudes). Interromper o consumo de
substâncias/comportamento gera desconforto/sofrimento e consequências sociais negativas
(mentiras, negação, medos indefinidos, isolamento, desonestidade).A i aparece de forma
definitiva a síndrome da abstinência.

A droga/álcool é usada para aliviar o desconforto/sofrimento
da interrupção. Reinicia o processo (ciclo adictivo) seja nas substâncias e ou nos comportamentos,
ou de modo mais comum nos 2 associados.

Fase Cronica

Deterioração (danos) da saúde bio-psico-social. O dia-a-dia fica mais centrado no consumo
problemático/dependência das substâncias psi coactivas, como consequência o adicto perde o
controle sobre o comportamento. As atividades e/ou pessoas que interferem com o consumo
problemático/dependência são negligenciadas ou abandonadas ,ai colocamos o trabalho, estudos
e relações externas do dependente químico. O dia-a-dia reduz-se à fixação e à necessidade de
consumir.

O estilo de vida é centrada na obtenção e consumo da substância psi coactiva ,em ter
sempre à disposição uma quantidade necessário de uso por um período, – isolamento,
agressividade, vergonha, negação, culpa, ressentimento, sofrimento e angustia.

O processo é

Semelhante nos indivíduos adictos aos comportamentos, a sua vida gira em torno da sua adicção,
é a questão principal pela qual dedicam todos as suas competências e recursos. As atividades e ou
pessoas que interferem com a adicção são negligenciadas e ou abandonadas.

Iniciam aí os

grandes problemas sociais em relação à família e patrões , bem como aos estudos, gerando
abandono e má atuação escolar.

ENTENDENDO A NEGAÇÃO

Negar é um sintoma e faz parte da doença, apesar de não ser um sintoma exclusivo da adicção. Na
Fase Inicial o individuo nega visto não existir qualquer tipo de problemas (factos concretos)
físicos, psicológicos e ou outros.É A FAMOSA FASE DO “EU USO QUANDO E QUANTO EU QUERO ,
NÃO SOU DEPENDENTE,PARO QUANDO QUISER”.

Na Fase Intermédia porque os problemas não

estão associados ao consumo problemático/comportamentos adictivos e, por ultimo, na Fase
Crónica porque o pensamento encontra-se débil, enfraquecido assim como a capacidade de
julgamento/discernimento/avaliação está distorcida.

A negação é um mecanismo de defesa que
afasta a motivação para recuperar (mudança) devido ao pensamento ilusório (controlo) distorcido
e à lógica adictiva que se desenvolve e reforça que a realidade é uma vida com sofrimento,
complicada e sem soluções e é quando se manifesta de fato o ciclo adjectivo ou ciclo da adicção, ou
ciclo da dependência química.

Ciclo da adicção:

Consumir substâncias e agir nos comportamentos – Gratificação e recompensa (prazer intenso
imediato).

A característica dessa fase leva à segunda que é a Síndrome da Abstinência – Sofrimento
físico e psicológico a médio e a longo prazo ,onde a ausência do uso promove uma reação violenta
tanto física quanto emocional do adicto, o que o leva a um outro estágio, dos Pensamentos
adictivos.

(Obsessão e compulsão e negação).Essa é uma necessidade do uso imediato e aos
excessos no uso, fatores de alto risco para o dependente. Em virtude destes fatores teremos o
aumento da tolerância. O individuo necessita de aumentar as doses das substâncias psi coactivas e
a frequência (comportamentos) para obter o efeito desejado.

Quanto maior o risco (perigo)

associado ao comportamento adictivo maior a sensação de recompensa e gratificação.Fica claro
aqui que a síndrome da abstinência gera cada vez mais impulsos para o suso compulsivo e abusivo
das substâncias que causam a dependência química.Esses aspectos geram uma nova fase, a da
perda de controle (uso continuo apesar das consequências negativas). Cronificação da doença pelo
adicto de modo a necessitar tratamento em clínica especializada em tratamento de dependência
química e alcoolismo.Entre as agressões sofridas pelo organismo temos os bio-psico-sociais
(físicos, psicológicos e sociais ).

SÍNDROME DE ABSTINÊNCIA EXPLICADA

A síndrome da abstinência desenvolve-se em duas fases. A primeira chama-se abstinência aguda
ou imediata e que dura 10 dias.

Durante muito tempo acreditou-se que o síndrome de abstinência
desaparecia ao fim de alguns dias contudo, estudos recentes revelam que os sintomas da
abstinência manifestam-se a longo prazo, mesmo durante a Recuperação, podendo mesmo
manifestar-se durante meses, ou em alguns casos anos após a ultima ingestão de substâncias
psi coactivas.

O tratamento dela é baseado nessa linha de raciocínio Este conjunto de sintomas que
se manifestam mais tarde chama-se abstinência a longo prazo (A.L.P.).Esta gera vários sintomas , o
que iremos explicar neste tópico:1-Incapacidade de raciocinar com clareza.Pensamentos
desorganizados direcionam os atos do paciente,o que vai levar a um segundo estágio, ou seja 2-
Incapacidade de concentração por mais do que alguns minutos.

Enfraquecimento da capacidade

de raciocino abstrato (pela abstração forma-se o conceito retendo o essencial).O fato se deve à
intensa desorganização mental e conflitos de pensamento , o que traz como consequências
sérios 3-Problemas de memória. Os problemas de memória a curto prazo são muitos. Ouve uma
coisa, compreende-a mas passados alguns minutos e já se esqueceu.

Dentre outras se destacam também 4-Reações emocionais exageradas (impulsivas) ou
entorpecimento emocional. Quando uma coisa acontece e é necessário duas unidades de reação,
o adicto/a em recuperação reage com dez. É com se utilizasse a tecla de multiplicar, a
exacerbação dos impulsos não é questionada naquele momento. Num momento tem uma reação

impulsiva, mais tarde constatar que afinal era uma questão sem grande importância , o que no
processo da abstinência não há como se considerar~.Como mais um fator importante nos
deparamos com 5-Perturbações do sono e insônias.

No inicio da recuperação as perturbações do

sono mais comuns são sonhos estranhos e perturbadores. Estes sonhos podem interferir na
qualidade do sono recompensador e afetar as horas de sono necessárias. Trocas de horários e de
tempo de sono são fatores frequentes.Essas alterações ajudam em uma outra etapa 6-Problemas
com a coordenação física. Tonturas, vertigens, alterações de equilibro e problemas de
coordenação e reflexos.

Essa sintomatologia faz parte das mudanças estruturais psico-físicas do
dependente químico , principalmente nas mudanças do metabolismo diante da ausência da droga
agregada ao ciclo de cada um. Como decorrência direta disso temos 7-Sensibilidade exagerada ao
stress. Incapacidade em discernir entre as situações de pouco e muito stress.

O adicto podem não

reconhecer baixos níveis de stress e por isso reagir de uma forma exagerada. Pode considerar o
stress elevado quando antes lidava bem com essas mesmas situações, podendo reagir de uma
forma despropositada e exagerada e depois surpreender-se pela forma como reage. Todos os
outros sintomas acima referidos são agravados nos períodos de grande stress. Um sintoma pode
agrava os outros. Aí vemos a interseção stress com outros fatores, e quando esse cresce aumenta a
manifestação dos demais explanados até aqui.

Diante destes fatos e situações vamos perceber que a doença se cornifica à cada dia, sendo
necessários cuidados por parte do dependente químico e da família do mesmo. Para isso existem
as clínicas especializadas no tratamento da dependência química , as clínicas femininas de
tratamento de dependência química , e as comunidades terapêuticas especializadas na
dependência química.

Quanto mais cedo elas são procuradas para tratamento , maiores as
chances de uma recuperação mais eficaz, pois cada uma tem seus métodos , usados por
psiquiatras, psicólogos e terapeutas que adequam o tratamento de cada paciente de acordo com
suas necessidades, onde a família tem importância no encaminhamento e convencimento do
paciente a se tratar.

A DEPENDÊNCIA QUÍMICA E RECAÍDAS
Vote