ibogaina planta SP

TRATAMENTO COM IBOGAÍNA NA DEPENDÊNCIA
QUÍMICA (SP)

 

Muito tem se falado no tratamento da dependência química através do uso da
IBOGAÍNA ,mas afinal do que se trata? A ibogaína é um alcalóide indólico
psicoativo derivado do caule da raiz de uma planta africana, a Tabernanthe iboga.

Procurando por tratamento com Ibogaína em São Paulo? Clique aqui.

Na África a raiz da planta é conhecida coloquialmente como “iboga” ou “eboka;
cita um autor . Contém como base o produto ibogaína , além de outros ,como
aproximadamente outros 12 alcalóides diferentes, onde a ibogaína, aparenta
também ser um elemento químico psicoativo. Nos últimos anos tem-se notado
cada vez mais a capacidade da ibogaína para o tratamento da dependência de
drogas e do alcoolismo ,onde estudos científicos e relatórios variados sugerem
que uma única administração de ibogaína remove os sintomas da abstinência , o
mais importante para a recuperação de usuários de drogas lícitas e ilícitas , de
substâncias químicas em geral , e reduz o desejo de uso durante algum tempo
após a sua administração.

Existe também uma teoria , que por ser uma substância
psicoativa , leva a uma viagem espiritual onde o dependente químico através
de seu uso toma consciência do seu verdadeiro ser , facilitando na cura. A teoria
é baseada no uso primitivo da substância em várias tribos , onde é utilizada quase
que de maneira religiosa em comunicações interpessoais e no auto conhecimento
do divino.

Trata-se de um alcalóide indólico ligeiramente psicoativo derivado de uma planta
africana a droga em forma de planta – é usado por grupos indígenas há
milénioscom o propósito de rituais de auto conhecimento e conscientização do eu
interior. Os índios Bwiti, um grupo religioso da África Central, usam o caule da
raiz da planta Tabernanthe iboga ( nome científico da ibogaína para uma
variedade de propósitos sociais e religiosos, sobretudo como componente central
do seu ritual de iniciação – uma intricada cerimônia de “renascimento” que dura 3
dias. Para se tornar membro do grupo é necessário completar esta cerimônia cita
um estudioso do assunto.

Meninos e meninas participam , da mesma forma do
cerimonial e são iniciados na idade entre os oito e os dezoito anos , em uma fase
que atravessa a fase infantil até a adolescência. Provavelmente seja um repressor
na vontade de utilização de outras drogas , embora possam existir dúvidas, poe se
tratarem de comunidades fechadas , e distantes do uso social das demais
drogas que permanecem fora de suas comunidades.

A descoberta de que a ibogaína pode tratar a dependência de substâncias é
normalmente atribuída a Howard S. Lotsof – um ex-toxicodependente que vive em
Nova Iorque e experimentou ibogaína pela primeira vez em 1962. Lotsof
experimentou a ibogaína crendo que era uma nova droga recreativa, mas 30 horas
depois apercebeu-se subitamente de que não sentia falta da heroína, nem tinha
vontade de a procurar. A experimentação casual subsequente por amigos
toxicodependentes revelou que este efeito era comum a outros utilizadores.A
descoberta foi em virtude de após o uso a vontade do uso de drogas mais
pesadas e usadas frequentemente pelo dependente químico ter sido eliminada.

NA SEQUÊNCIA COMPROVOU , QUANDO OUTROS DEPENDENTES QUÍMICOS
TAMBÉM PASSARAM PELO MESMO PROCESSO APÓS O USO. È
IMPORTANTE PERCEBER QUE ISSO ACONTECEU PELA PRIMEIRA VEZ EM
UMA SITUAÇÃO DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM 1962 , OU SEJA, MUITOS
ANOS ATRÁS.

ELEMENTOS QUÍMICOS E EFEITOS GERAIS

Entre os cerca vários elementos da substância de um modo geral, encontramos o
mais importante no caso do tratamento, complexos derivados da triptamina e
encontrados na Tabernanthe iboga (da família das Apocynacea), a ibogaína é a
sua substância alucinógena mais importante, e o principal composto psicodélico
originário do continente africano.

A extração dos alcalóides do caule da raiz resulta
em puro hidrocloreto de ibogaína.Aí cabe uma colocação , trata-se tambpém de
um elemento psicoativo , portanto deve ser usado com indicação e controle médico
tanto em sua quantidade quanto no controle de efeitos colaterais, bem como as
contar indicações no uso, atualmente bem melhor estudadas.

A ibogaína

Cuja denominação química é 12-metoxibogamina, é um inibidor da colinaesterase, uma
enzima estimulante que afecta o sistema nervoso central. A molécula mostra a
estrutura nuclear com dois anéis indólicos, comum à maioria das substâncias
alucinógenas , essa é a explicação técnica da estrutura da droga , o que cabe a
farmacêuticos e médicos envolvidos com ela , mas que serve como informação a
leigos de um modo geral.

OS EFEITOS DA IBOGAÍNA NO ORGANISMO

Quando utilizada em pequenas doses, assim como as folhas de coca na América
do Sul, a iboga é ingerida pelos índios Bwiti para permanecerem acordados e
alerta durante as grandes caçadas e viagens de canoa, as quais podem durar dois
ou mais dias , ou seja, é um efeito medicamentoso , como o das folhas de coca ,
que passam a se transformarem em droga de fato após um tratamrno químico no
qual são processadas. Diz-se também possuir propriedades afrodisíacas. (Os
frutos laranja-amarelados da T. iboga, do tamanho de azeitonas, são por vezes
usados para tratar problemas de esterilidade nas mulheres).

É mais um caso de
complexidade no que se refere aos fitoterápicos , onde caule, raizes, folhas ,
casca e frutos possuem efeitos diversos no metabolismo humano , dependendo do
modo e quantidade de uso. Fica evidente , que em seu estado natural se trate de
um destes fito terápicos.

Em quantidades maiores, a ibogaína é alucinógena. Causa náuseas e vômitos,
assim como o peiote , que possui a mescalina como substância alucinógena e
ativa. Neste nível, o utilizador entra num estado de transe intenso e profundo,
onde o movimento fisíco é impossível.

O transe é muito visual, e normalmente
manifesta-se como uma longa viagem. Cabe aqui destacar que se trata de uma
droga no combate às demais , oque precisa ter um controle profissional na
posologia para utilização. Por ter efeitos diversos é necessária uma observação
constante e controle dos efeitos e da sintomatologia apresentada pelo paciente.

Neste nível a ação da ibogaína divide-se em três partes. A primeira é um período
de quatro a seis horas semelhante ao sonho, durante o qual se experimentam
apresentações visuais e pensamentos relacionados com acontecimentos
passados” ou seja, uma viagem ao fundo da consciência interior e às percepções
de quem seja o indivíduo em seu plano emocional mais profundo, uma viagem ao
auto conhecimento e de localização no universo.

A segunda é um período
intelectual ou cognitivo, no qual essas experiências são avaliadas; ou seja,
desenvolve um universo de auto avaliação através do conhecimento e das
vivências , e a terceira é um período de estimulo residual que eventualmente
resultará em sono”. É após o paciente acordar que nota a falta de desejo de tomar
ou procurar as drogas das quais estava dependente. Todavia, deve notar-se que as respostas à ibogaína são bastante variáveis, de acordo com as características individuais do utilizador.

Partindo desta conclusão final , o tratamento deve ser
feito por clínica especializada em tratamento da dependência clínica especializada
e com supervisão médica constante. Existem clínicas especializadas em ibogaína
em São Paulo onde isso ocorre , sendo inclusive permitida a presença de familiar
como acompanhante no decorrer do tratamento , que dá maior segurança tanto ao
dependente quanto no que diz respeito à família.

As visões da ibogaína contêm invariavelmente muitos detalhes pessoais. Um
artifício simbólico que parece ser frequentemente usado pela ibogaína é a
dissimulação de problemas pessoais do tipo mundial, geralmente enredos políticos
ou ecológicos que aparentam ameaçar o planeta o que indica uma tomada de
consciência universal e de sobrevivência natural.

Essa viagem ao interior parece
uma forma muito complexa no auto conhecimento , levando à uma evolução
emocional e psicológica muito profundas , uma imersão à pessoa como um ser
importante no universo , bem como entender sua particiapação no todo, ou seja, uma
atitude de enorme complexidade e de extrema importância ano que se refere à
valorizaçã do ser humano diante da imensidão do universo.

Procurando por tratamento com Ibogaína em SP? Clique aqui.

IBOGAÍNA COMO TRATAMENTO MEDICINAL

Depois de muito tempo sendo estudada como droga par atratamento da
dependência química concluiu-se que a ibogaína tem um potencial considerável
no tratamento da dependência de heroína, cocaína, base-livre de cocaína (crack),
metadona, e álcool ou seja, a maior parte das drogas utilizadas rotineiramente
pelos dependentes de um modo geral.

Existe também a indicação de que pode ser útil no tratamento da dependência do tabaco , o que traz novas esperanças aos que procuram um tratamento eficaz ao vício do tabagismo ,uma das drogas mais
difíceis de serem abolidas da vida humana.

Foi ainda sugerido que a droga pode
ter um potencial considerável no campo da psicoterapia, sobretudo no tratamento
dos efeitos do trauma e do condicionamento , o que tem muita lógica,
pois principalmente em estudos das dependentes químicas do sexo feminino se
encontraram coincidências com traumas psicológicos assimilados pelo cérebro e
que interferem na iniciação do uso de várias drogas, incluindo -se o crack

Com uma única dose de administração da ibogaína tem três efeitos típicos úteis
ao tratamento da toxicodependência. Primeiro, causa uma enorme redução dos
sintomas do síndrome de abstinência, e sendo esta a maior dificuldade do
dependente químico enfrentar quando na ausência do uso das drogas o fato
acaba permitindo uma desintoxicação relativamente indolor, onde são supridas as
necessidades sem utilização de outros processos até então em uso.

Segundo o desejo de usar a droga decresce notavelmente durante algum tempo após o
consumo da ibogaína, geralmente uma semana a vários meses. Isto foi
confirmado por estudos científicos. Finalmente, a natureza psicoativa da ibogaína
parece ajudar muitos toxicodependentes a compreenderem e reverterem os
problemas por trás da dependência , essa é obtida através da imersão do paciente
em seu eu e trazer revelações onde traumas são curados sem que haja
necessidade do consumo de outras substâncias.

Como posologia temos informações mais precisas nos dias de hoje. A ibogaína
pode administrar-se facilmente em forma de cápsula, e não causa dependência. A
dose para uso terapêutico é geralmente cerca de 5 a 8 microgramas por cada
quilograma de peso corporal da pessoa. É geralmente aplicada num só tratamento
feito num ambiente clínico com monotorização médica apropriada e avançada, no
qual aparenta ser segura.

Procurando por tratamento com Ibogaína SP? Clique aqui.

Vemos aí a importância em se achar uma clínica de
recuperação em SP com bons profissionais , e o acompanhamento médico
controlando as ocorrências advindas do tratamento.Enquanto que sem dúvida
acontece que alguns indivíduos cessam permanentemente o uso das drogas após
uma só dose de ibogaína, para muitos o tratamento deve ser considerado apenas
como o componente inicial num programa completo de reabilitação.A avaliação de
cada caso deve ser indicada pelo médico que acompanha o processo e a
evolução do paciente em tratamento, cabendo a ele a indicação na continuidade e
acompanhamento de dependente em seu processo e suas reações.

Embora aprovada para testes clínicos (em seres humanos) para o tratamento da
toxicodependência nos EUA nos princípios dos anos 90, problemas no apoio
financeiro e outras questões atrasaram tanto o desenvolvimento da pesquisa da
ibogaína que, até princípios de 2005, esta mantém-se não disponível para a
maioria dos toxicodependentes no mundo inteiro. Atualmente existem mais
médicos e clínicas utilizando esta forma de tratamento , bem como algumas
instituições interessadas em pesquisas e desenvolvimento como tratamento
alternativo através de clínicas de recuperação em São Paulo e vários outros
estados brasileiros , além de vários outros países.

O tratamento feito através da utilização de chá de ibogaína na primeira
experiência (para efeitos estimulantes, não psicodélicos) utiliza uma dose média
de duas a três colheres de chá para mulheres, e três a cinco para homens, o que
demonstra que mulheres têm maior susceptibilidade pela base química do caule,
que é utilizado em um processo de rapagem e secagem , respeitando-se o
princípio que a raiz deve ser fresca para que possam ser aproveitados os poderes
do princípio ativo da ibogaína , quando o efeito da raiz é mais forte quando fresca.
Normalmente não se mistura, embora alguns grupos a usem com marijuana como
forma de tratamento associado.

RISCOS E INDICAÇÕES
A UTILIZAÇÃO DA IBOGAÍNA DEVE SER FEITA COM CONTROLE MÉDICO
ABSOLUTO

Esse fator é de fundamental importância ,pois a ibogaína quando utilizada em doses
maiores que as recomendadas como terapêutica podem gerar reações orgânicas várias, que
vai desde vômitos até óbito , ou delírios sem controle o que pode causar traumas e lesões
irreversíveis. Para isso é preciso o acompanhamento de um médico que conheça efeitos e
reações, assim como a dosagem necessária à cada um dos pacientes no que se refere ao sexo
, peso e demais variáveis.

Para esse tipo de tratamento com ibogaína em São Paulo consulte as instituições confiáveis
e de credibilidade através da Capital Remoções.

TRATAMENTO COM IBOGAÍNA NA DEPENDÊNCIA QUÍMICA (SP)
Vote